HomeFÓRUNSFóruns NacionaisFTN ADVB discute importância das Feiras e Eventos de Negócios

FTN ADVB discute importância das Feiras e Eventos de Negócios

Na noite de quarta-feira, 28, a ADVB-SP promoveu mais uma edição do FTN – Fórum de Temas Nacionais, na versão digital. Após abertura feita pelo presidente da entidade, Aristides de La Plata Cury, que agradece patrocinadores e apoiadores da iniciativa, anuncia o palestrante da Live, Abdala Jamil Abdala e passa o bastão para o VP da ADVB, José Roberto Sevieri, mediador do evento.

Sevieri faz um comentário sucinto sobre a temática da noite – ‘Feiras e Eventos de Negócios – ferramenta insubstituível de vendas na retomada econômica’ e grifa o lema da ADVB: “Ninguém é líder por acaso”. Lembra que são as Feiras de Negócios que vendem, que trazem gente de fora para fazer negócios. E sustenta que a pandemia trouxe um sofrimento além do que poderia ter sido, “por falta de compreensão de algumas autoridades, que acabaram misturando feiras com outros tipos de eventos”.

José Roberto Sevieri, Vice-Presidente da ADVB

Abdala Jamil Abdala historiou, rapidamente, os percalços advindos com a pandemia, da luta de meses para destravar a realização de eventos presenciais e expressa muito ânimo em relação ao ano de 2021.

“As feiras, além de alavancarem as vendas, trazem conhecimento. Trazem interatividade entre quem produz e quem compra. As vendas são a locomotiva da economia. E em 2021 nós vamos ter feiras, sim, independentemente de vacina. Dispomos de protocolo muito mais rígido do que estipulam as exigências das autoridades”, ressalta.

Abdala Jamil Abdala, Presidente da UBRAFE – União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios

Synésio Batista da Costa, presidente da Abrinq (Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos), discorre sobre a natureza humana, que no seu entender, “gosta de ver gente, de estar perto das pessoas. Está no nosso DNA. Francamente, a telinha é um negócio muito chato”. Bem-humorado, fala da luta do vendedor, “porque o comprador não tem alma”.  No entanto, diz que esse é o seu papel – o comprador quer, sempre, o mais pelo menos, em benefício da empresa que ele representa”. Sobre o enfrentamento da pandemia, diz que houve falta de sintonia entre os governos municipais, estaduais e federal. E que, em regra, estas instâncias não estão ajudando a superar, como deveriam. Recomenda que se vença o medo de fantasmas, para a roda da economia voltar a girar.

Adelino Ângelo de Oliveira Neto, presidente da ANAPP – Associação Nacional das Empresas e Profissionais de Piscinas, diz que a entidade tem envolvimento com feiras desde 1991. Na ocasião, realizou a 1ª Expo Lazer.

“De lá pra cá, vimos fazendo diversos eventos. A cada ano, galgamos uma nova posição. Era uma feira regional, que passou a nacional e, na última edição, em 2019, tivemos a presença de mais de 15 países no evento. A Expo Lazer 2021 foi lançada e totalmente vendida. Quero registrar que a parceria que temos com a Francal é fundamental. E dizer que o mercado de piscinas cresceu de três a quatro vezes, em 2020”, diz Adelino.

Maria Antônia Siqueira Ferreira, diretora da Enterprise Feiras e Congressos, depois de enaltecer as feiras para a realização de negócios, diz que “realmente, o agronegócio foi o que mais cresceu no Brasil, com transações superiores a R$ 800 bilhões. Só o setor da indústria da carne emprega mais de 4 milhões de pessoas. Nunca se vendeu tanto como em 2020”.

Em sua opinião, temos de vencer o medo. “O medo só afasta as pessoas. Contamos com articulação competente da UBRAFE, com o Abdala, para que nas feiras de 2021 consigamos superar a restrição de 60% de espaço ocupado. No agronegócio, as feiras presenciais são fundamentais”. Maria Antônia conta o case da FORLAC – Feira para a Indústria de Lácteos, que mudou a vida da cidade de Lambari (MG). Evento voltará em 2021, de 6 a 8 de abril.

Ruy Bacha, diretor comercial da B&B Inox, de Lambari (MG), diz que “o número de laticínios, no Brasil, é muito maior que o número de municípios. É um setor dinâmico, que não para. A ordenha não tem sábado, domingo ou feriado. Mais de 30% da produção nacional de produtos lácteos estão em Minas Gerais”.

Acrescenta que “hoje, Lambari tem um grande número de empresas e indústrias focadas no fornecimento de produtos ao setor de laticínios. Aguardamos, ansiosos, a FORLAC 2021 – em espaço muito maior do que aquele da primeira realização”.

No encerramento, o presidente da ADVB, Aristides Cury, homenageia o âncora da Live, Abdala Jamil Abdala, com a entrega de um certificado. “Quem entregaria a honraria a você seria o seu conterrâneo de Franca, o nosso querido Latif Abrão Jr. Infelizmente, ele não pôde participar do evento, mas na qualidade de presidente do Conselho Consultivo da ADVB, assina comigo esse cerificado”.

Ao agradecer a homenagem, Abdala diz que “Latif não só é conterrâneo como parente dos meus parentes. Quero lembrar que a Francal começou a acontecer, em Franca, há 52 anos. Desde sempre, o DNA da Francal é gerar oportunidades de negócios. E Que a feiras voltem em 2021, cercadas de todos os cuidados porém com a coragem que caracteriza os empreendedores!”.

Abdala Jamil Abdala, com o certificado em mãos.
RELATED ARTICLES
spot_img
spot_img
spot_img